24/08/16

A Mentira

A mentira tem pernas curtas, diz o surrado e certeiro ditado popular. Por mais que ela consiga viver algum tempo ostentando a sublime aparência de verdade, não adianta:  mais dia, menos dia ela desaba. E aí, azar de quem a pariu.
Por aqui, onde há palmeiras em profusão onde os sabiás cantam, somos levados a crer que a mentira é uma instituição nacional. Até certo ponto pode-se dizer que é correto. A mentira anda para cima e para baixo. Vai de Norte a Sul, de Sul a Norte neste reino verde e amarelo, fazendo estágios prolongados pelo Planalto Central, tornando aquele ponto quase como sua morada preferida.
Mas, a bem da verdade, não podemos desconhecer que a danada da mentira é, isso sim, uma instituição internacional. Ela está no meio dos mais pobres, mas também anda de mãos dadas pelos mais altos escalões. E não é capaz de distinguir o público e o privado.
Nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, que terminaram dias atrás, até americano se deu mal. Competente em atravessar a piscina com meia dúzia de braçadas, não encontrou o nadador Ryan Lotche a destreza necessária para criar uma historinha que tivesse algum sentido. Disposto a curtir a noite com seus colegas de equipe saiu despreocupado pela noite carioca tomando todas as geladas que encontrava pela frente. Eis, que em dado momento, olhou no relógio e viu que a madrugada avançava perigosamente em direção ao dia. Aí surgiu em sua etílica cabeça uma história  que parecia fazer sentido. Foi dizer logo para a sua mãe que havia sido assaltado por soldados  e coisa e tal. E mãe que é mãe não deixa por isso.  Meteu a boca na rede social e denunciou a polícia tupiniquim.
O bafafá foi grande. O escândalo saiu no mundo todo. O rapaz foi ouvido pela polícia. E o mundo ficou sabendo que tudo o que o nadador bebum queria era esconder da namorada que havia saído para um bundalelê carioca e que tinha perdido o horário de voltar ao berço. A mentira custou gordas cotas de patrocínio perdidas, um namoro desfeito, um coração de mãe partido e uma série de outras coisinhas que ainda estão pela frente.
Mas, nem tudo é desgraça na terra das oportunidades. É possível que a história não fique por aqui. Vai que algum cineasta veja com bons olhos a história e queira levar para as telas as aventuras do nadador que levava uma medalha de ouro no peito e que se perdeu na noite do Rio.

O que se fala sobre a mentira:

-Machado de Assis: " A mentira é muitas vezes tão involuntária como a respiração".
-Millôr Fernandes: "Jamais diga uma mentira que não possa provar".
-Winston Churchill: "Uma mentira dá uma volta inteira ao mundo antes mesmo de a verdade ter oportunidade de se vestir". 

                        

Nenhum comentário:

Postar um comentário