10/05/2018

Casa no Campo


Tinha saído do cemitério faz pouco. Um sol muito forte mostrava-se sobre a cidade. Era um desses verões fora de época. As pessoas saíam de casa pela manhã ainda encasacados e, ao meio-dia, se tanto, começavam a se despir. 
Era experiente o morto. Mas, pela idade que tinha alcançado, ainda poderia ficar por aqui mais alguns anos. Tinha casa, família, carreira, uma aposentadoria razoável e tudo o mais. Gostava de cantar. Na infância tinha jogado bola pelas ruas irregulares da sua cidade. Talvez até tivesse quebrado alguma vidraça num desses chutes que saem do controle e depois viriam dor de cabeça diante de um vizinho zangado ou de uma mãe preocupada com  a disciplina do filho.

06/05/2018

Os Descartáveis

Praticamente tudo o que o homem inventou para o bem, acabou sendo usado para outra finalidade.  O exemplo clássico é o avião. Ao mesmo tempo em que reduziu o tempo para percorrer grandes distâncias virou uma máquina de guerra competente, sendo possível atacar o inimigo de uma distância segura lançando bombas sobre alvos pré-determinados.
Chegar à conclusão de que em todas as coisas há mão dupla não é difícil. Um  simples telefone celular, que inscreve o indivíduo no mundo virtual, é muito mais do que um aparelho de comunicação. Se bem usado é uma biblioteca sem limites, é um instrumento que conecta a pessoa a um infinito mundo de facilidades: tevê, rádio, jornal, cinema, restaurante, meio de transporte, academia, consultório, igreja  e muito mais. Ao mesmo tempo é meio para propagação de mentiras, de ódio e para formação de grupos extremistas, milícias e quadrilhas.

27/04/2018

O não-saber

Pouco mais de 4% da matéria
que compõe o universo é conhecida
Um pouco mais de 4% de tudo o que existe no universo é conhecido. Mesmo que não seja muito bom em matemática, posso deduzir, com algum grau de certeza e sem medo de falar uma besteira, que algo em torno 96% de tudo o que há por aí, entre vivos, mortos, vistos e sentidos são meros desconhecidos. Ora, a física explica, então, uma pequena parte dos fenômenos existenciais porque o desconhecido, por si só, não tem explicação.  Talvez por isso mais sábio é quem admite que nada sabe,  ou pouco sabe, do que quem arrota sua sabedoria no contato privado ou socialmente através das redes sociais.
Diante disso tudo crescem sobremaneira os conceitos relacionados às possibilidades em detrimento daqueles ligados às certezas. Como ter certeza se o desconhecido é imensamente maior do que o conhecido? Eis a questão.

19/04/2018

Parabéns, Pindorama!


"Desembarque de Pedro Álvares Cabral em Porto Seguro",
Oscar Pereira da Silva, 1922
Essa terra, onde as palmeiras buscam os céus e os sabiás cantam como só os sabiás sabem fazê-lo, faz aniversário no próximo domingo. A história desta porção de terra é cheia de controvérsias e incertezas, apesar dos esforços dos historiadores e apresentar versões críveis aos fatos.

02/04/2018

A Pressa

John Wayne
Nos velhos filmes do Velho Oeste só sobreviviam os que eram rápidos no gatilho. A rapidez era sinônimo de vida. A lerdeza era punida com um punhado de balas. Ao menos assim era nos filmes estrelados por John Wayne e Clint Eastwood, que faziam justiça com as próprias armas e eliminavam os valentões e bandidos que saqueavam os rancheiros norte-americanos. A mesma destreza valia para eliminar os temidos indígenas que atacavam os colonos numa luta sanguinária pela terra. Mas, neste caso, já é outro história. Os índios, retratados como cruéis assassinos eram os mocinhos da história, mas isso não era levado em conta por roteiristas, diretores e pelos expectadores. Naqueles tempos, índio bom era índio morto.

Hoje, amanhã e depois


O Facebook pergunta: o que você está pensando. O Facebook responde: não, não precisa dizer. Nós sabemos o que você pensa!

Não vou cair na esparrela de repetir tudo o que se disse nos últimos dias. Nem vou usar este espaço aqui para jogar ainda mais negatividade quanto ao futuro do país e da humanidade. Muito menos vou aproveitar para lamentar que uma desembargadora, do alto de sua respeitável posição jurídica, tenha usado argumento de discussão de mesa de bar para condenar o morto ao invés de quem matou. Nem vou lembrar outra desembargadora, que se valeu de ironia para criticar uma jovem com Síndrome de Down que exaltava sua alegria em ter concluído um curso para educadora. O Brasil vem surpreendendo o mundo.  E não é pelo bolão que vem jogando. É pela bola que não joga.

15/03/2018

Mudam os tempos


Periodicamente chegam por aqui informações sobre mudanças profundas. Mudam os hábitos. Mudam os tempos. Mas, mudanças significativas na forma de viver aqui na Terra são poucas. Mesmo hoje, nestes dias marcados pelo avanço tecnológico e científico, continua a vida como há muito tempo atrás. E olha que a humanidade avançou em termos de invenções. As comunicações ficaram mais rápidas, instantâneas, as bibliotecas estão à disposição de todos no mundo virtual, o conhecimento juntado pelos homens por milhares de anos está todo disponível para consulta.

10/03/2018

A Boa Sorte


Boa dose de sorte acompanha os afortunados. Carência de sorte assiste os desafortunados. Há boa sorte e má sorte. Ela bafeja alguns poucos e parece ignorar a grande maioria dos sujeitos.
A sorte é um desses seres pouco compreendidos. Há dúvidas reais se realmente existe. Para alguns é uma criação da sabedoria popular, um  mito que vem se perpetuando para explicar de um modo muito pouco preciso os caminhos vitoriosos de alguns e os  tropeços de outros.
Cientificamente não há explicações plausíveis para a sua existência. Nos últimos tempos, porém, com a difusão do conceito quântico de que o observador pode alterar a reação das partículas ínfimas, não se duvida tanto de que existam princípios ainda não provados que favorecem a ocorrência deste ou daquele fenômeno desconhecido.  Assim, a inexistência de uma comprovação científica não é taxativa quanto à existência ou não de alguma coisa neste vasto mundo do desconhecimento.