15/12/2018

A Magia

 "O ilusionista é o artista que encobre a realidade visível entregando uma outra realidade a quem se permite ver. Artistas criam. Iludem quando podem. O indivíduo que descubra, que desvende. O mistério desfeito perde a graça. O encanto se afasta".

O universo é mágico. Ou, pelo menos, deve ser. Restam incertezas a seu respeito, eis que é um gigante desconhecido. Conhecidas são algumas das leis que o regem. Outras, no entanto, ainda carecem de descoberta. Porém, uma coisa é certa: ele se expande sem parar. Ao menos é o que dizem os cientistas. Assim, se cresce ininterruptamente, pode-se crer que essa imensidão, que se convencionou chamar de universo, é um ser vivo que está se criando aos poucos. Dedução lógica. Mas, a lógica nem sempre prevalece. Não há palavra definitiva sobre isso. Então, especular é possível.

05/12/2018

As certezas. As dúvidas. A relatividade

 "Neste novo contexto, os certos e os errados vão sendo amenizados. Nas boas conversas não mais são admitidas teses onde a certeza reside na bipolaridade."


Tinha mais certezas do que idade. Era adolescente, mas carregava uma carga imensurável de certos e de errados. Dúvidas eram poucas. Pelo menos era o que acreditava. O tempo, no entanto, vai passando e com ele as coisas vão se modificando aos poucos. A vida avança, as experiências vão chegando, as opções sendo feitas, os caminhos construídos e as certezas vão sendo desfeitas. Um engano aqui outro erro lá, uns acertos neste setor e outros no lado de lá. Com o andar da carroça misturam-se os certos e os errados de tal forma que pode chegar uma hora em que o embaralhamento transfigure tudo.
Bem se sabe hoje que a Teoria da Relatividade, descoberta pelo físico alemão Albert Einstein, considerada a grande mente do século XX, incide não só na Física. Deixando a complexidade de lado, resumidamente pode se dizer que a Teoria da Relatividade afirma que o tempo não é igual para todos, podendo variar de acordo com a velocidade, a gravidade e o espaço. A relatividade saiu das garras da Física e se influenciou outros ramos de conhecimento. Não há, por exemplo, como se conceber hoje um pensamento que não preveja certo grau de variação, de concessão e de alternatividade justamente pela “relatividade das coisas”.

24/11/2018

Tombos e tropeços

"Uma das maiores características dos dias de hoje, apesar do excesso de fontes de informação, é justamente a falta de informação de qualidade."

Nunca se produziu tantas notícias quanto nos dias hoje. O planeta ficou pequeno demais para atender à demanda da comunicação em massa. A Terra, às vezes, parece uma pequena aldeia. Num passado não muito distante a notícia chegava a cavalo. Sim, era desta forma que o jornal se deslocava de sua sede até as mãos do leitor que morava no recanto mais distante. O rádio veio a agilizar a chegada da informação. As ondas não necessitam do lombo do cavalo para chegar até o ouvinte. Bastava um receptor, uma antena e o locutor levava ao respeitável público o que de novo acontecia na cidade, no estado, no país e no mundo. A tevê veio bem mais tarde. Demorou para se tornar popular.

14/11/2018

Conhecimento, consciência e opinião

Conhecimento e consciência são dois termos que caminham juntos há muito tempo. Sócrates, filósofo grego, alertava sobre a necessidade de o homem buscar as respostas para seus anseios a partir do autoconhecimento. Ou seja, sem conhecer a si mesmo não pode o indivíduo responder aquelas dúvidas tão comuns sobre a sua identidade, sobre o seu papel histórico, sobre o seu caminho, sobre suas angústias e aspirações.
Nos dias atuais é comum a confusão que se estabelece entre conhecimento e opinião. Opinião são as considerações que fazemos sobre algo a partir de algumas impressões pessoais: - como será o dia de hoje? “-acho que vai chover”. Poderia dizer que teremos muito sol. E poderia errar ou acertar. Opinião é a manifestação feita sem embasamento teórico ou mesmo prático. Assim, não é necessário que o indivíduo seja especialista para opinar sobre meteorologia, sobre esportes, sobre economia, sobre a política nacional e internacional, sobre o comportamento dos mercados ou mesmo sobre medicina. Basta um computador ou smartphone e uma conexão com a internet. Afinal, todos nas redes sociais têm opinião.

12/11/2018

A Liberdade

Liberdade, igualdade e fraternidade era o lema dos revolucionários franceses que derrubaram a monarquia e o clero instituindo uma nova ordem social, política e econômica na França, influenciando toda a Europa, no final do século XVIII. Dentre as conquistas mais significativas deste período, destaca-se a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, garantindo, assim, que um ser humano não deve ser tratado pelo Estado de forma autoritária.
Apesar de consolidado em todo o mundo, o lema vem sofrendo um desgaste significativo nestes anos de Nova Era. A pátria que o concebeu, a França, está batendo cabeça. Respeitar tão largos e abrangentes princípios tem sido um tanto quanto desafiador. E o que vem causando este tumulto é justamente a busca por uma vida melhor, mais humana, mais compreensiva e por maiores oportunidades de futuro por milhares de pessoas que fogem de zonas de conflito. Em tese, a França é o melhor local no mundo para isso. Os franceses, no entanto, não vêm pensando dessa forma. Cada imigrante significa o acirramento na disputa por vagas no concorrido mercado de trabalho e no atendimento nos serviços públicos. Como o dinheiro é finito, sobram problemas e carecem soluções.

29/10/2018

Bom dia grupo!!!

Nesses dias de luta aguerrida, de tentativa desesperada de construção e desconstrução de verdades, de vitórias e derrotas, de sonhos, de sobressaltos, de aparente caos e de paraísos prometidos, acorda-se como se um porre gigantesco tenha acometido mesmo os abstêmios. Gente que se manteve por anos de boca fechada saiu por aí gritando suas palavras de ordem, repetindo mantras recém-descobertos prometendo salvação a quem nem desejava ser salvo. O barulho foi grande. Os resultados das urnas são conhecidos. Os efeitos não.
Para muitos restou uma dor na alma, uns familiares que se tornaram distantes, uns amigos que nem amigos eram e que menos amigos ainda se tornaram. As percepções são individuais, é claro. Mas, não se duvide do tamanho do trauma que pode se operar nos relacionamentos. Para alguém, o bolo saboroso da tia amada, que traiu a confiança e se bandeou para o outro lado, perdeu o gosto. Tanto quanto o bolo, a tia perdeu a graça. A confiança se afastou. Talvez volte, talvez não.

24/10/2018

Pernas Longas

Mitomania: s.f, psicopatologia, tendência a narrar extraordinárias aventuras imaginárias como sendo verdadeiras; hábito de mentir ou fantasiar desenfreadamente.

 Minha mãe, Dona Araci, que já saiu deste plano faz algum tempo, dizia que mentira tem pernas curtas. Eu acreditava nisso. Vez por outra, uma ou outra traquinagem feita por mim ou pelos meus irmãos, era resolvida diante da maternal inquisição seguida da ameaça: “tu juras que isso é verdade? Olha que mentira tem pernas curtas!”. Eram pequenas bobagens que se faziam. Coisas poucos significativas como quem deixou uma xícara cair, quem derrubou o açúcar na mesa ou, ainda, quem tinha começado a algazarra ou a briguinha entre irmãos.

23/10/2018

Divinos Candidatos

Deus Criando o Sol e a Lua- Michelangelo







O sentimento religioso é aquela sensação intrínseca, imanifestada, primitiva, que nasceu no instinto e se perpetuou, chegando até o homem intelectualizado. É a impressão da existência de um ser superior. Afirmam os estudiosos do campo da antropologia espiritual que este sentimento, atualmente racionalizado, nasceu com o próprio ser humano.
As primeiras manifestações humanas em relação ao supremo foram ainda na fase pré-civilização. O primitivo encontrava-se no subsolo do conhecimento. Projetava nas coisas o seu sentimento dando vida ao inanimado. As experiências do momento são representadas no material. Para alguns, a pedra foi o primeiro objeto de adoração, naquilo que se chama de litolatria ou adoração de pedras, rochas e relevos do solo. Depois a fitolatria, adoração dos vegetais, plantas, flores, árvores e bosques; seguindo-se da zoolatria, adoração dos animais e, posteriormente, a mitologia, que é uma explicação rudimentar do funcionamento do universo, através do componente mágico.