16/10/2018

Do Lado do Avesso

Habitualmente publico aqui textos autorais. São reflexões que  normalmente são publicadas em uma coluna que assino no jornal Bons Ventos, de Osório. Hoje, no entanto, valho-me de uma reflexão da talentosa amiga e colega de faculdade Magda Altafini, que recentemente foi postada em sua página pessoal no Facebook. Abração, Magda. 

 Do Lado do Avesso


O lado do avesso é o lado da contramão, é o lado onde ficam amostra as costuras, os remendos, os defeitos ... Nas roupas costumamos observá-lo para verificar se o trabalho foi feito com capricho. A moda, já o está utilizando em roupas menos formais, mudando um conceito de lado certo ... Já temos até coleções inteiras e de grife "Lado do Avesso".
Do Lado do Avesso é também álbum ao vivo da cantora brasileira Cássia Eller, lançado em dezembro de 2012 como uma das homenagens aos 50 anos que a cantora faria. Caetano até compôs uma faixa instrumental instituída: Do lado do avesso.

10/10/2018

Mais um jogo de futebol

"No fim, tudo vira partida de futebol: meu time contra o teu. E isso faz sentido pelo menos para quem gosta de jogo". 

De tempos em tempos o Brasil se reinventa. Foi assim com o Collor. Foi assim com o Lula. Será assim daqui para a frente. De lado a lado, esperanças e ressentimentos, ódios e amores doentios gerando ansiedades e angústias.
Tem gente que não está nem aí para as questões mais profundas. Importa ser contra alguém, bater boca nas redes sociais, divulgar notícias falsas e mensagens das mais morais possíveis, estabelecendo um novo padrão de comportamento: respeito aos valores da família e tiro nos outros. O pano de fundo é o combate à corrupção, aliás um dos maiores males da nossa civilização, e que merece ser combatido desde sempre.
Assim, o cidadão que muitas vezes está alheio às discussões mais intelectualizadas e teóricas que envolvem a história, as conquistas da civilização e outras coisas que fazem a alegria dos estudiosos, fica só na torcida. Ouve o pastor da igreja, o vizinho mais sabido ou alguém próximo e vai para a urna. No fim, tudo vira partida de futebol: meu time contra o teu. E isso faz sentido pelo menos para quem gosta de jogo.
Esse é o Brasil que temos. Estamos todos juntos nessa. Decidimos o futuro uns dos outros. Aceitar o resultado é preciso. Curar as feridas e seguir em frente é o remédio da hora.

03/10/2018

As fake news e o medo

Esta não é a primeira eleição brasileira onde o boato vale mais do que o fato. Quem participa do processo há um pouco mais de tempo deve lembrar dos boatos que favoreceram Fernando Collor de Mello, em 1989, levando-o à presidência da República num dos episódios mais traumáticos da vida política nacional. Dizia-se na época que Lula confiscaria a garagem de todos aqueles que tinham carro para jogar dentro uma família de sem-teto. As casas na praia também seriam confiscadas e entregues aos necessitados. A Globo editou o debate no Jornal Nacional e, entre outras baixarias, a campanha de Collor encontrou uma namorada do líder oposicionista, Míriam Cordeiro, que afirmou que Lula teria pedido para que fizesse um aborto. Anos mais tarde, Collor disse que se arrependia de ter abordado o caso na sua propaganda.
O clima de ódio fez de Collor, o Caçador de Marajás, presidente do país. Pouco tempo depois, o orgulho deu lugar à vergonha. Os colloridos foram despejados do poder, gerando um sentimento de vergonha nacional.

27/09/2018

A Cegueira

Estamos na década de 60. O crescimento das repúblicas socialistas do leste europeu é uma realidade. Brigam EUA e URSS pelo poderio econômico e tecnológico. O risco do comunismo se alastrar e tomar conta do mundo é um fantasma que assola as cabeças, tira os sonos, fomenta políticas de ataque e toma conta dos discursos. Apesar disso, convive-se. Com medos de lado a lado, mas convive-se. Restou uma certeza: era necessário destruir o comunismo.
Como se sabe, o tempo é relativo. Então, voltamos no tempo e já estamos no início do século passado. A Itália, como boa parte da Europa, vivia em petição de miséria. Eram necessárias medidas radicais para colocar a nação nos trilhos. Benito Mussolini, político habilidoso, cresceu como uma verdadeira esperança de redenção do povo italiano. Foi a mente brilhante por detrás do fascismo que tinha como principais características a valorização do masculino, a mobilização das massas, a militarização e a defesa de símbolos e cultos.

22/09/2018

Cacareco, Macaco Tião, Mosquito e Asno

Houve um tempo em que o voto era em papel. Chamava-se cédula eleitoral. O eleitor chegava na sua seção eleitoral, identificava-se com o seu título e recebia do mesário um papel impresso. Não havia essas urnas eletrônicas. Assim, ao invés de digitar um número o eleitor escrevia o número do candidato ou seu nome ou, ainda, somente o partido político. Como o analfabetismo era imenso, alguns votos viravam motivo de gargalhada. Nas cidades pequenas, então, um voto poderia fazer a diferença e a luta era ferrenha para validar um voto duvidoso.
Um dos aspectos mais curiosos nesses pleitos foi o lançamento de candidaturas alternativas. Assim, animais, personagens de filmes e novelas recebiam votos de eleitores irresponsáveis ou gozadores.
A tentativa mais consagradora foi do rinoceronte Cacareco. Corria o ano da graça de 1959. Já naquele tempo, imperava o sentimento de desgosto e de decepção em relação ao panorama político. Um jornalista, Itaboraí Martins, do Estado de São Paulo, numa bem humorada iniciativa, lançou Cacareco como candidato a vereador. Imprimiu milhares de panfletos e distribuiu na capital paulista. O animal conseguiu a impressionante marca de 100 mil votos. A performance de Cacareco foi tema da conceituada revista Time, dos EUA, que destacou a manifestação de um eleitor:"É melhor eleger um rinoceronte do que um asno”.

Campo Minado

Nas zonas de conflito enterram-se minas para atingir o inimigo. O passo seguinte pode ser o passo final do guerreiro. Pisar numa mina ativa é abrir caminho para o fim. É morte na certa. Quase certa: se houver um destes milagres o corpo estará dilacerado. Nada será como antes. O que sobrar será sempre uma parte. O todo ficou na explosão da mina.
O processo eleitoral que está em andamento por aqui é quase como um campo minado. Uma guerra. Cada passo pode conduzir ao fim. Os mortos vão ficando pelo caminho. Estilhaços de minas detonadas vão ferindo as carnes. Às vezes, o campo fede. Há sinais claros de decomposição pelo caminho.

19/09/2018

A Religião e a Política


O casamento entre política e religião não é coisa nova. Os povos antigos, muitas vezes, se organizavam politicamente e buscavam uma validação divina. Era necessário que o soberano tivesse a chancela da autoridade religiosa. Mal comparando, seria como se os deuses desejassem este ou aquele soberano no trono.
Na Idade Média, então, a igreja romana ditava as regras. Os conceitos de pecado foram ampliados de tal forma que qualquer oposição ao soberano era uma agressão à autoridade religiosa e ao próprio Criador. A pluralidade era uma ofensa. A crença era tutelada. Só quem seguisse o pensamento do clero tinha alguma chance de continuar vivendo.



Nos dias de hoje, apesar do amplo espectro de crenças e descrenças, o pensamento religioso influencia na vida em sociedade. Conceitos bem definidos de certo e errado, de admissível e não admissível, de permitido e de proibido à luz da religiosidade determinam padrões de comportamento. Assim, as liberdades individuais, especialmente quando relacionadas à orientação sexual, sofrem cerceamento rotundo ou silencioso. No pensamento de muitos, Deus se ofende quando o indivíduo não segue o protocolo previamente determinado.
De certo modo, nos períodos eleitorais este processo sofre um impulsionamento. Por trás disso está o discurso de defesa da família e dos bons costumes. Outra estratégia comumente usada é a frequência de candidatos nos cultos religiosos. Numa aliança com igrejas e pastores, candidatos são recebidos com glórias e aleluias num comício disfarçado de culto. Dia desses um ministro das altas cortes alertava para a necessidade de fiscalizar um pouco mais este uso da fé, do ambiente “sacro” e do poder dos pastores para conduzir as ovelhas para as garras deste ou daquele candidato.
A estratégia, por vezes, gera algumas situações surreais. Há um candidato, por sinal muito bem contado nas pesquisas, que debochadamente ensina crianças a fazer um sinal de arma com os dedos. É defensor do uso da tortura, do extermínio dos “homens que não são de bem”, debocha da opção sexual das pessoas, desvaloriza a mulher entre outras peripécias. Pois bem, dia desses, esse indivíduo, posava ao lado de pastores. Dizia que representava os homens de Deus. Credo, livrai-me do mal!
Não é necessário encostar os joelhos no chão semanalmente, nem jogar os braços para cima gritando aleluia para se saber que o grande mestre religioso do Ocidente, Jesus de Nazaré, construiu ao longo da sua pregação uma doutrina de aceitação, de compreensão, de perdão para aqueles que não seguem o caminho da perfeição. Não há no discurso de Jesus nenhuma expressão como “bandido bom é bandido morto” ou alguma recomendação para que a violência seja combatida com o uso de armas. Pelo contrário. Muito pelo contrário.
Apesar de ser um estado laico, sem uma orientação religiosa oficial, é flagrante o uso da religião no ambiente político. Na busca do poder cada um usa o que tem. E os líderes religiosos têm uma massa que os ouve com regularidade. Na hora do voto não é certo que o eleitor vai votar naquele candidato que sua igreja indicou. Ele tem liberdade. Toda a liberdade.
Mas, Deus está vendo!

24/08/2018

Os Velhos Jornais

Os textos hoje são pequenos. Dizem que ninguém tem muito tempo para gastar com leitura. Se o tema é complexo, então, o poder de síntese tem que, obrigatoriamente, imperar. Como se lê mais no computador e no celular, quanto menor melhor. Com isso, vive-se o tempo das ideias rasas, da conclusão a partir da manchete, da falta de detalhes. Objetividade é a norma.
Às vezes, opto por contrariar solenemente esta regra dos novos tempos. Se houvesse alguma pesquisa juro que gostaria de saber o resultado. Quantos leitores desistem de continuar lendo após o segundo parágrafo?
Na feira, no mercado, na loja ou na caminhada pela cidade, vez por outra encontro alguém que, sem grandes papos, de forma direta e objetiva como tudo tende a ser, informa que tem lido com frequência a coluna que publico com regularidade aqui no jornal. Sempre brinco, em pensamento, é claro, “alguém lê!”.
Os primeiros impressos que li, fora as famigeradas cartilhas escolares com seus desenhos primários e suas lições repetitivas, foram exemplares do Correio do Povo, o antigo, em formato standart. Suas fotos eram enormes e os textos da mesma forma. Ainda guardo na memória aquelas matérias grandiosas com imagens impressionantes de jogadores do Grêmio e do Inter disputando a rodada do final de semana. Havia impensáveis fotos de mais de um palmo e meio ou dois. Eram gigantes gremistas e colorados quase saindo da página do jornal.
O mais impressionante era a forma como estes exemplares chegavam até os meus olhos. Eram jornais velhos de dias e dias atrás, semanas ou talvez até meses. Em regra, eram usados no armazém, na venda, como forma de embalar o aipim ou a batata doce. Como estes tubérculos normalmente vêm sujos de terra preta ou vermelha, antes de ler e apreciar as “novidades” futebolísticas, havia um exercício de limpeza a ser feito: passava a mão levemente sobre a sujeira para não entranhar no jornal e prejudicar a compreensão da notícia ou da fotografia. Era um santo remédio. Uma ação simples. Sujava a mão, mas limpava o periódico.
Os jornais encolheram. As imagens são minúsculas. Os textos também. Muitas redações fecharam. Viraram sites de notícias. Caminham para a extinção, anunciam os que já chegaram no futuro. Se o seu Zé de antigamente ainda tivesse o armazém haveria de encontrar outra forma para empacotar os aipins e a batata doce.
Pesquisas – As pequisas eleitorais que vêm sendo publicadas não surpreendem, pelo menos neste momento. Lula, que é um candidato não-candidato, venceria todos os demais. Como não vai concorrer, ao sair do páreo é que se terá uma real noção do panorama político que se estabelecerá na nação. Uma guinada a uma visão repressora e fanfarrona, uma volta aos anos 90 com a social-democracia de FHC ou a consagração do poder de Lula, através de seu pupilo Haddad? Uma reviravolta com Marina ou Ciro? Como não vejo o futuro, sou incapaz de apostar um exemplar de jornal velho para que lado a população vai pender. Essa é uma daquelas questões que só o tempo vai responder. Aguardemos, então, o desenrolar de mais um emocionante capítulo da história desta jovem e não muito forte democracia pátria.