22/11/16

A Pressa

A pressa é uma marca dos tempos atuais. Tudo é na hora. Não há espaço para depois. Parece que todo o mundo está com a mãe na forca, como diriam os mais antigos. A comunicação instantânea talvez tenha contribuído para isso. As respostas têm que, obrigatoriamente, serem dadas logo após o sinalzinho duplo e azulado aparecer na tela. Minutos são horas. E horas é a própria eternidade.
Com a democratização da opinião, através das redes virtuais, criou-se outro mal, tão prejudicial quanto a pressa: a necessidade de reagir. Parece que é uma obrigação que todos tenham uma opinião formada sobre tudo, “sobre o que é o amor, sobre o que eu nem sei quem sou”. Quem não opina tá por fora. E quem opina, quem toma partido, quem se apaixona pela tese é bem capaz de servir de cristão aos leões. E os felinos têm uma carência invejável. A fome é grande. Polêmica, polêmica, polêmica. Por pouco, pisa-se no pescoço e quebram-se os ossos. Um pouco de exagero, é claro.
Muito ruído para pouco resultado. É certo que o grande meio de comunicação é a rede. Eu disse grande não o melhor nem o mais confiável. Confiança é coisa que a pressa sepulta. Agora mesmo, nestes dias que passaram, nosso país assistiu ao debate acalorado sobre a sucessão ianque. O topetudo milionário era o azarão. Teve apressado que lançou manchete dando a outra como ganhadora. Parecia páreo corrido. Não valia apena nem apostar. Mas, o apesar do jeito desengonçado e das ideias (convenhamos um pouco estapafúrdias), o menos querido  ganhou. E, por aqui, desagradou. E os especialistas se digladiaram em previsões catastróficas e etc e tal. Como se o mundo não tivesse sobrevivido a Reagen e Bush.
Aqui, do meu canto, não ouso ficar dando pitaco no angu dos outros. Apesar do esforço, mal e mal consigo analisar o carnaval que vivemos onde ladrões se disfarçam de heróis e heróis de ontem se misturam a ladrões de hoje para saquear os cofres da pátria amada tão distraída. Neste esforço concentrado, uns são julgados e outros ficam ainda fazendo pose na capa do jornal. No fim, talvez pensem algo no estilo: “ainda bem que o contribuinte é pacífico e vai continuar pacífico, apesar das chapuletadas que vai levando com a diminuição de direitos e o aumento dos ônus”.
Como o ano no mundo real avança no mesmo ritmo do virtual, não adianta ficar por aqui na lamentação e no azedume. O pensamento cria a realidade, diz o mestre. Então, o melhor é achar um jeito de doutrinar a mente e se afastar um pouco da pressa das respostas desnecessárias, do debate que não leva a nada e das expectativas que mais geram frustrações do que outra coisa qualquer. É o que tínhamos para momento, sem pressa.  

                         

Nenhum comentário:

Postar um comentário