23/08/11

Gentileza gera gentileza

Passava alguma coisa do meio-dia. Encontrava-me na fila do caixa de um restaurante. O gosto de peixe frito não havia sido eliminado pelo providencial cafezinho. Havia um número considerável de pessoas que, da mesma forma, aguardavam pacientemente a única atendente a somar as comandas, passar o cartão na maquininha e sorrir agradecendo em nome do estabelecimento. Quando chegou a minha vez, uma jovem dotada de uma fúria digna de um centroavante rompedor, lembrando os bons tempos do Fenômeno Ronaldo, arrastando uma menina pequena pela mão, com bom senso de antecipação, saltou de maneira decisiva e de comanda em punho tomou a minha frente, sacou seu cartão e marcou um golaço.
 
Surpreendido pela força decisiva da artilheira e pela invigilância da atendente, sucumbi. No máximo uma muxoxo inaudível fui capaz de articular. Nas minhas costas um tímido “uooooohhh”. Certo é que todos nós fomos surpreendidos pelo quase abalo sísmico causado pela jovem que, aos olhos de qualquer um, venderia fácil a ideia de alguém altamente distinta e educada.  
Confesso que segundos depois, como os zagueiros surpreendidos pela perícia do atacante, senti que como cidadão havia falhado. Deveria ter dialogado com a jovem e reagido como um cidadão de bem, fazendo valer os preceitos de civilidade. Se tivesse algum argumento convincente, como a mãe na forca, uma emergência ou algo parecido, aí sim cederia meu lugar com satisfação. Porém, fui vencido e calei. Calaram todos os demais na fila. Pude perceber mesmo que alguns até desviaram o olhar fingindo que nada havia de anormal na cena.
A mocinha me fez lembrar da forma como agíamos no passado quando nós, os humanos, recebemos a Terra de presente para administrá-la. Nossos ancestrais não eram polidos. Eram homens e mulheres grosseiros. O diálogo ainda não havia sido criado. A conversa amistosa era coisa que surgiria somente alguns milhares de anos depois. O convencimento se dava pelo safanão, pela força, pelo mostrar dos dentes, pela exibição da densidade muscular e pelo manejo da lança e pela clava. Não havia muito espaço para a negociação, para a resenha. A tolerância ainda não havia sido criada.
Coube aos latinos a introdução da gentileza no vocábulo dos homens. A expressão, na realidade, é da mesma raiz de gens que designava todos os descendentes das tribos que contribuíram para a criação de Roma. Os latinos eram polidos, fraternos e amáveis entre si. Porém, mesmo eles não tiveram força para impor o costume. Tanto que entre os governantes do Império Romano gentileza não era produto muito disponível. Os processos sucessórios eram deflagrados sempre a partir do assassinato do primeiro mandatário. 
Gentileza gera gentileza, dizia o profeta carioca. Nada mais acertado. Pena que gentileza seja um daqueles produtos em falta no mercado, tanto quanto tolerância e compreensão. Distorcidamente, gentileza vem sendo confundida com fraqueza. Engano absurdo. Como diz o provérbio taoísta: “três coisas agradam a todo o mundo: gentileza, frugalidade e humildade. Pois os gentis podem ser corajosos, os frugais podem ser liberais e os humildes podem ser condutores de homens”.

Quer saber mais sobre gentileza? Acesse os links abaixo:


Nenhum comentário:

Postar um comentário