03/10/12

As horas derradeiras


Imagino o sentimento dos candidatos nestas horas que antecedem as eleições. Cansados da exaustiva movimentação do período eleitoral quando cruzaram o Município inúmeras vezes visando o convencimento dos eleitores, empregam agora seus últimos e derradeiros esforços. Entusiasmo, apreensão, pessimismo, certeza e incerteza revezando-se ininterruptamente.
Talvez seja difícil aos candidatos deitar a cabeça no travesseiro e conquistar alguns momentos de tranquilidade, nestes dias que antecedem o pleito. Acredito que muitos candidatos enquanto buscam o sono reparador, maquinalmente continuam distribuindo seus santinhos e apresentando seus planos. O espírito acossado pela pressão continua vigilante, trabalhando pela causa que o preocupa. Não se permite o ócio e o prazer do relaxamento.
Certo que há aqueles que, a essa altura do campeonato, já entregaram os pontos. Que não largaram bem e sabem que ali na frente não é o sucesso que os aguardam. Alguns ainda devem guardar uma réstia de esperança. Nutrem, lá no fundo, uma tênue sensação de que podem (eles mesmos) serem surpreendidos.
A campanha eleitoral parece ser algo cansativo. Contatos, caminhadas, discursos, sorrisos, tristezas, esperança, desilusão, carreatas, bravatas, debates, comícios, acertos e desacertos. Pressão é o que não falta. Chega uma hora que não há mais o que fazer. Só esperar!
Esta espera certamente é o que de mais angustiante pode haver. Eis que chega a hora do voto. O burburinho do pessoal se deslocando vagarosamente ou de forma apressada até o local da votação. Algumas centenas de propagandas jogadas ao vento numa tentativa vã de seduzir algum indeciso ou descuidado que não reservou sua colinha para a hora derradeira de encarar a urna.
Depois de tudo isso, a espera pelo recolhimento das urnas. O nervosismo da divulgação dos resultados. A festa, o consolo, a decepção. Emoções em profusão para vencedores e vencidos.
Apesar dos desatinos, de raras manifestações infantis de despreparo de alguns poucos militantes nas redes sociais, as campanhas por aqui respeitaram o bom senso. Esperamos que continue assim até o fim de todo o processo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário