11/08/15

Baile de Máscaras

O calmo e silencioso bem que pode guardar dentro de si um vulcão. Dominado durante o dia, escanteado pelas tarefas improrrogáveis, abafado pelos afazeres comuns, lentamente vai se mostrando. E, imperceptivelmente, se prepara para virar o jogo. E é à noite, quando tudo o quanto é rotina se esconde, quando os sons são raros e o tempo aparentemente deu uma trégua, que a lavra fervilha.  O estômago esquenta, as pernas parecem pegar fogo. Aí não há sono que apareça Não há calma e tranquilidade que resistam. De nada adianta contar carneirinhos nem vacas nem pássaros nem elefantes nem sementes de milho ou de feijão. Não há criatividade nem técnica que esfrie o calor que vem de dentro, acendendo fogos que bem pareciam cinzas de um passado tão distante.
O frenético e agitado, visto assim pelos olhos dos outros, bem que pode guardar dentro de si um lago de águas límpidas, mansas e pacíficas. E, tão logo saído das lides diárias, pode fechar a porta de casa e se entregar à tranquilidade que o transborda. Aí não haverá tempestade que o faça tremer nem ventos que o tirem do prumo nem surpresas que o tire do rumo.
Quando a multidão caminha cada um é apenas multidão. Não há um rosto, não há uma identidade. Há a multidão tão somente. Uma massa uniforme que se move num só sentido. A soma de todos os que caminham por ali.  Porém, o olhar mais atento, identificará que a unidade não existe. São seres, são indivíduos, são histórias únicas que se movem. No entanto, sem tempo para dizer “ei, eu sou assim”, “ei eu sou assado”. O calmo e silencioso que carrega um vulcão dentro de si ou o frenético e agitado que guarda silencioso lago nas suas entranhas caminham como tanto outros. A multidão os engole no dia a dia.
A imagem é clara. Não sei quem disse, mas quem disse isso certamente o fez com sabedoria: os indivíduos constroem suas máscaras ao longo dos tempos. No público apresentam o que de melhor produziram. No particular, no entanto, jogam a máscara de lado e viram vulcões ou lagos, mostram os dentes de raiva ou impulsionados por um sorriso leve e verdadeiro.
De algum modo, o dia a dia é um baile de máscaras. E os mascarados caminham para lá e para cá. E se misturam com a multidão, formando uma só massa. Vulcões e lagos trilhando lado a lado os caminhos que lhes cabem.      

Um comentário:

  1. Mergulhei em meio às frases e me tornei um personagem. Gostei demais. Parabéns.

    ResponderExcluir