22/07/16

Das Eleições

É nas pequenas cidades que o fenômeno sazonal das eleições é vivenciado com maior intensidade. A correria sempre é grande. Muito grande. Naquelas que contam com colégios eleitorais reduzidos, uma família que pender para um dos lados pode definir um pleito. Há casos mais radicais, onde um eleitor fiel ficou impedido de votar, por morte, por doença ou por algum caso de última hora, e acabou definindo o resultado. Seu voto seria decisivo. Sua ausência decidiu a corrida eleitoral.
Aqui na Colônia de São Pedro, num destes recantos mais remotos, havia um político dos mais espertos e sorrateiros. Não perdia eleição. Se o seu nome estivesse entre os candidatos, a certeza era uma só: ele venceria. Ao assumir o governo apresentava sempre estratégias peculiares. A primeira delas era chamuscar os companheiros. Segurava o que podia a nomeação dos cargos de confiança. Era uma verdadeira procissão à prefeitura. Militantes iam e voltavam ao palácio municipal ávidos por uma notícia vinda do novo prefeito. Alguns ficavam pelos corredores, encostados na parede com caras de pedintes. 
O eleito silenciava. Parecia mesmo sentir algum prazer em ver aquele povo peticionando um cargo na nova administração. Entre eles, havia alguns que se achavam mais cotados e esperavam uma secretaria. Os dias passavam e com o avanço do calendário já se contentariam com um departamento. Era gente que dias antes carregava bandeiras e enfrentava de peito aberto as críticas e até os atos violentos do outro lado. Gente que delirava a cada palavra dita pelo então candidato nos comícios realizados nos salões paroquiais no interior. Chegavam a puxar o coro com o nome do homem. 
Agora, sentados na escadaria da prefeitura viam o tempo passando e a chance de ocupar um dos cargos de confiança se reduzindo cada vez mais. 
Suprema ironia. Verdadeira agressão aos verdadeiros militantes era assistir ao chefe de uma grande família da oposição chegar para uma reunião a portas fechadas com o chefe. Pior foi notar sua satisfação ao sair de lá com uma portaria de nomeação. “Logo ele que foi do contra”, pensavam alguns. “Foi a única localidade que perdemos e o prefeito me faz uma dessas”. “Na próxima eleição ele vai ver”.
Governar com alguns inimigos era uma das estratégias. A preferência recaia sobre as famílias mais numerosas. Inimigos ontem, parceiros hoje. A próxima eleição? Bem, a próxima sempre será a próxima. Até lá as coisas se ajeitam. Haverá tempo para separar as abóboras dos pepinos, adoçar uns bicos de uns companheiros que se sentiram prejudicados por falta de cargo e garantir alguns apoios dos oposicionistas. Quando chegar a próxima eleição, os dias de hoje serão meras lembranças que irão se apagando lentamente.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário