27/07/16

O Macarrão

Julius Moser - 1808
Um dos grandes dilemas da humanidade é o da origem do macarrão. A versão mais popular é a de que Marco Polo, o viajante veneziano, em suas andanças pelo reino mongol-chinês, protegido pelo grande Kublai Kahn, frequentador dos grandes banquetes servidos por seu senhor, teria tomado gosto pela coisa. A iguaria, feita a partir do milheto, se tornou uma espécie de preferência do italiano. Quanto retornou à sua terra natal, 17 anos depois de conviver com os mandos e desmandos de Kahn, Polo ditou suas aventuras para um amigo escritor (que como ele se encontrava preso). Consta que o amigo era criativo ao extremo e recheava as aventuras de Marco com algumas pitadas a mais de emoção. No calor da narrativa teria supervalorizado encontro de Polo com a massa chinesa, como se fosse algo inédito mundo culinário. A história foi repetida inúmeras vezes e oito foi criado.   
Porém, segundo muitos pesquisadores apaixonados pelas massas italianas, a história de Marco Polo ter trazido a receita da massa da china é pura invencionice. Para alguns foram os árabes que trouxeram a receita para a Sicília, sul da Itália, por eles conquistada, o século 9. Há quem afirme peremptoriamente que desde o Império Romano, a Itália já conhecia a fórmula de misturar água, farinha de trigo e vinho branco.  A massa depois era esticada em longos e finos fios e colocada a secar ao sol e ao vento pra melhor se conservar.
O molho mais simples e não menos apreciado que acompanha o macarrão também tem uma origem bem curiosa. Segundo consta, os tomates foram levados do Peru para a Europa. Porém, como a fruta foi cozida junto com as folhas, as primeiras experiências ocasionaram intoxicações coletivas, sendo proibida sua produção. Anos mais tarde, um cozinheiro napolitano separou somente as frutas e produziu respeitável molho que superou a desconfiança de todos e se tornou uma referência apreciada em todo o planeta.
Presente em cardápios de restaurantes em todo o mundo, o macarrão com molho à bolonhesa reúne o molho de tomate e carne bovina moída. No entanto, em Bolonha, na Itália, não se encontra o tal prato. Eles acham o molho processado, de caixinha ou lata, um atentado à culinária e uma difamação à sua terra. E, talvez, tenham razão. O molho deles leva cenoura, bacon, vinho, leite e outros ingredientes. A massa deles também não é a fininha, mas sim achatada. Eles levam esta história tão a sério que até congresso foi realizado para discutir o assunto e hoje a Câmara do Comércio de Bolonha é detentora da patente do legítimo ragu alla bolognese. 
Independente de quem descobriu o macarrão, se foram árabes, chineses ou italianos,  a massa hoje faz parte do dia a dia do brasileiro e de todos os povos da Terra. Como por aqui a criatividade toma conta, que diriam os italianos mais tradicionalistas da ousadia de alguns dos nossos em consumir suas sagradas massas lado a lado com o feijão nosso de cada dia? 


 Saiba mais:

Nenhum comentário:

Postar um comentário