19/07/15

Arroz com leite

Tenho uma querida amiga que adora arroz com leite. Arroz doce, dizem alguns. Não importa. Vez por outra, ela posta nas redes sociais pedidos de arroz com leite. E não é que vez de vez em quando ela recebe em sua  loja algum visita trazendo uma provinha da iguaria. E, publicamente, agradece o agrado, abrindo brechas para futuras ações semelhantes.
Tenho uma amiga que não tolera arroz com leite. Ela é vegana. E, como se sabe, não consome produtos oriundos de animais. Nem mesmo um gostoso arroz com leite, caprichosamente feito com cravo e canela, coberto por um porção generosa de canela em pó, a seduz. Pensa menos na satisfação gustativa e mais no sofrimento causado aos animais pelos exploradores humanos.
Polêmica à parte, dia desses me aventurei a tentar imitar minha mãe, que enquanto esteve aqui neste pequeno e limitado mundinho, foi uma mestra na arte de tentar agradar seus filhos. E o arroz com leite, simples e gostoso, era uma das fórmulas que lançava mão de vez em quando.
Como não disponho de tantas informações culinárias em meu currículo, como todos  os reles mortais de nosso tempo, busquei na internet algumas receitas. Jamais imaginei que algo tão simples fosse variar tanto. Há tentativas das mais diversas, incluindo coisas requintadas e rebuscadas, tentando tornar o simples em algo classudo. É claro que os gostos variam de acordo com a região do país. Há os que apostam no leite de coco, nas doses cavalares de açúcar e em um ou outro ingrediente.
O certo é que a primeira tentativa não foi digna de elogios. Por um capricho do destino ou, para ser mais correto, por um erro do cozinheiro, arroz, leite e açúcar não se entenderam na panela. E o gracioso arroz com leite ganhou uma consistência estranha, especialmente quando acondicionado num pratinho e colocado na geladeira. Nunca vi arroz tão endurecido. Para aumentar a maldade, sugou o leite que o cobria.   
Nova tentativa fiz dia desses. Aumentei o tempo de cozimento do arroz, reduzi consideravelmente a quantidade de açúcar e de leite. E o resultado foi um pouco melhor. Um pouco melhor, eu disse. Nada de espetacular, como era minha expectativa. Como entendo que devemos ser caridosos conosco mesmos, resignei-me. Não fiquei matutando muito sobre a frustração causada pela aventura culinária. Uma xícara de café preto ajudou a mascarar um ou outro defeito.
E vamos à luta que não dá para parar. Dia desses vou tentar de novo. Quem sabe a insistência não seja uma lição a ser aprendida. E aí, quem sabe, possa reservar uma porção para presentear minha querida amiga, sem medo de causar algum mal-estar.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário