26/01/16

O Safadão

Arte sobre foto
Poderia ocupar estas linhas neste blog com mais uma crônica ligada à espiritualidade, como já tentei fazer tantas vezes. Ou, ainda, à minha maneira, buscar explicações sobre o relacionamento humano. Como outras vezes, convocar o leitor a viajar para o passado e resgatar histórias vividas, sentidas ou imaginadas num tempo distante que magicamente se apressa em se distanciar cada vez mais.  
Mas, não. Talvez porque seja verão e, como dizem os analistas de plantão, os psicólogos, psiquiatras, terapeutas e alguns metidos sem formação, mas sempre ávidos por dar um pitaco em coisas que nem conhecem: é tempo de leveza, de picolé, de sorvete, de banhos no mar, na lagoa, no riacho, de protetor solar no corpo, boné na cabeça e muita água. Corpos à mostra, caminhadas, corridas, um choppe para quem gosta e ate-papo leve e despretensioso. Por isso, deixo as filosofias de lado, evitando discussões mais aguerridas cheias de certezas; as histórias de outros tempos, que em regra envolvem dois ou três moleques (que hoje são senhores de cabelos brancos) e todas as tentativas de busca de respostas para outro momento. E vamos concentrar no novo. Na novidade. Vamos falar de Wesley Safadão. Sim, ele mesmo. O cara. 
Para começo de conversa, uma confissão: não conheço Wesley Safadão. Não o identificaria se tivesse que fazer o reconhecimento ainda mais se misturado com outros sujeitos; nem se fosse me mostrado um álbum com inúmeros rostos. A bem da verdade, nem ao menos pretendo conhecê-lo. Não sei se canta alguma coisa que preste ou se, como tantos que há por aí no mercado, é mais um destes produtos descartáveis que surgem a cada verão, cada outono, cada inverno e cada primavera por estes recantos que Deus criou.
Só sei que ele existe. Nestes tempos de informação instantânea é praticamente impossível não saber da existência de alguma coisa positiva ou negativa, significativa ou insignificante. Como diz uma amiga minha: “é impressionante como as coisas me chegam”. Sei, por exemplo, através da mídia, que ele ganha algo em torno de quinhentas mil patacas por show. Então, não estamos falando de pouca coisa. Neste mundo, onde o virtual é real, as cercas foram derrubadas. Não há contenções. Não há limites. Muito bom para quem necessita de alguma atenção. Para um chamado de socorro. Para um alerta sobre alguma injustiça cometida em algum lugar do planeta.  Muito bom também para os safadões da vida que explodem com ou sem talento, espalhando pelo mundo tudo o que sabe fazer. 
Minha ignorância é mero detalhe. Insignificante neste novo mundo. De algum modo tenho que me penitenciar: o distinto sujeito deve ter algum talento, caso contrário não seriam tantos a pagar-lhe tanto.  Convenhamos, quinhentos no bolso é muita coisa. E por um só showzinho.
Resolvi que vou parar de escrever um pouco. Um mês de retiro. Tempo necessário para uma reciclagem. Quem sabe durante esta parada não me dedique a estudar de maneira mais aprofundada a obra do Wesley. O Safadão.


PS: Nada tenho contra o referido artista. Nunca o ouvi cantando. Vai que...

Mais sobre Wesley Safadão:


Verbete na Wikipedia
Página Oficial
Vagalume

Nenhum comentário:

Postar um comentário