09/10/14

O Estado Febril

Dominado por uma febre, tentava dormir. Mas, algumas ideias esparsas tomavam conta de sua mente. Sem esforço, fatos contínuos foram sendo rememorados como se uma grande novela estivesse sendo encenada naquela hora. Sem forças para reagir, deixou-se entrar naquele louco teatro. Não sabia de onde vinham aquelas histórias que se uniam sem sentido. Talvez fossem coisas que lembrava, que inventava ou memórias de outras experiências que sem explicação surgiam como que magicamente.


A ilha
Era um navegador. Talvez fosse implacável. Achava que era poderoso. E exercia o pretenso poder. Não fosse isso e não teria sido abandonado na ilha. Apesar de ser o comandante, não ficava somente dando ordens. Tomava a frente em tudo. Achava que aquilo era correto. Mas, não aceitava erros. Não perdoava os que erravam.
Desceu para reconhecer o local. Andou para lá e para cá, afastando galhos. Abrindo uma trilha. Estava tão envolvido na missão que esqueceu tudo o quanto mais o cercava. E quando viu estava só.
Correu para a praia e se espantou com o que seus olhos enxergavam. A embarcação ia se deslocando mar adentro. Tentou alcançá-la, mas não tinha forças suficientes para enfrentar as ondas bravias que insistentemente o remetia de volta para a praia. Assim lutou por horas a fio. Até que seu corpo se entregou.
Achou que tinha morrido. Mas, acordou com o sol batendo na cara. O corpo doía. A mata verde tomava conta de tudo. Frondosas árvores. Pássaros cantavam ao longe. Não sabia como explicar tudo aquilo. Estava só. Irremediavelmente só. Ficaria ali pelo tempo necessário, odiando aqueles que partiram.
Aquela era agora sua casa. Viveria ali. Talvez morresse ali.

Nenhum comentário:

Postar um comentário