03/06/2018

Vinte linhas


Nos tempos de colégio, os professores, vez por outra, pediam uma composição. Era assim que chamavam o que se convencionou chamar depois como redação. Vinte linhas era o mínimo que pediam. Suplício para uns, moleza para outros. Os temas eram abrangentes. As ideias que apareciam nas composições eram restritas. Não havia muitas fontes de informação. Entre a população de baixa renda, um rádio na casa era obrigatório. Uma tevê quase um luxo. Jornais e revistas eram artigos raros.  
Um colega tinha uma letra miúda. Numa linha cabiam dezenas de palavras. A composição dele era formada por pequenas formiguinhas azuis, quase todas do mesmo tamanho naquele vasto fundo branco atravessado por linhas negras. Era a exceção à regra. Para ele, convencionou-se que dez linhas eram suficientes. Dava  para contar sua vida toda, de sua família e, talvez, dos vizinhos mais próximos.
Outro colega, sem muito assunto e, talvez, carregado de preguiça, usava de uma estratégia peculiar para terminar com a tarefa dada pelo professor. Lançava uma letra estapafúrdia, grande e disforme na folha, deixando amplos espaços entre cada palavra. Tentava, com isso, preencher as vinte linhas e livrar-se do tema. Poucas letras para pouca inspiração. A nota, em regra, também era econômica.
Lamentável era a correção pública que o professor, às vezes, inventava de fazer. Sem muita preocupação em evitar danos psicológicos, traumas ou essas coisas todas que apareceram bem depois, elogiava uns e soltava o sarrafo nos mais medíocres. Havia gente que praticamente entrava embaixo da classe quando tinha seu nome referido pelo mestre. Como não carrego traumas maiores em relação a isso, creio que tenha ficado misturado na turma do meio que abrigava aqueles que não protagonizaram grande fiasco, mas, também, não atingiram a glória.
Creio que daquele grupo de alunos, este escriba seja o único que semanalmente ainda se debruça sobre um tema e persiga a meta de completar vinte linhas. Vez por outra se recebe como pagamento um “olá, li a tua coluna” ou um “preciso dizer que gosto de ler o que escreves” ou, ainda, um “quando vais lançar um livro?”. Agradeço a deferência, especialmente por testemunharmos um tempo em que um escrito de vinte linhas já se caracteriza um textão. E, em regra, no mundo da pressa, da preguiça e da falta de ideias, muitas palavrinhas seguidas umas das outras gerando um discurso é coisa que causa tédio.
Tédio nos dias de hoje se combate com redes sociais que reúnem imagens, opiniões, notícias (quanto mais falsas melhor), vídeos, sons, movimentos e ejambrações sobre o nada. Assim é.
Ops, passei das vinte linhas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário